A+ A-

Implante Transcateter da Válvula Aórtica

A estenose aórtica degenerativa é a doença valvar mais frequente em países desenvolvidos. Ocorre em cerca de 5% das pessoas com mais de 75 anos e decorre da calcificação dos folhetos da valva, dificultando a saída de sangue do coração para a aorta. Quando começa a dar sintomas (dor no peito, cansaço ou desmaios) a evolução é muito ruim e o risco de morte sem tratamento é alto. Hoje, a troca da valva por cirurgia convencional constitui o tratamento de escolha para a estenose aórtica grave sintomática. No entanto, a estenose aórtica frequentemente acomete indivíduos em faixa etária elevada com doenças associadas. Em decorrência disso, estima-se que aproximadamente um terço dos pacientes com estenose aórtica sintomática sejam preteridos do tratamento cirúrgico pelo alto risco de mortalidade operatória. Recentemente, o implante da valva aórtica por cateter foi desenvolvido como alternativa terapêutica menos invasiva para o subgrupo de pacientes com risco elevado para cirurgia convencional, seja pela idade avançada ou por doenças associadas.

Figura 1: valva aórtica  normal com 3 folhetos finos que se abrem normalmente, permitindo a passagem de  sangue do ventrículo esquerdo para a aorta e depois se fecham bem, impedindo a  volta de sangue para dentro do ventrículo.
Figura 1: Valva aórtica normal.
Figura 2: valva aórtica com 3  folhetos espessados e calcificados, causando estenose e dificultando a saída de  sangue do coração.
Figura 2: Folhetos espessados e calcificado.
Figura 3: valva aórtica com 2  folhetos (bicúspide). Este é um defeito de nascimento que torna a valva mais  suscetível à calcificação e estenose.
Figura 3: Valva aórtica com 2 folhetos.
Figura 4: Valva aórtica Implante Transapical.
Figura 4: Valva aórtica Implante Transapical.
Figura 5: Valva Aórtica Implante Transfemoral
Figura 5: Valva Aórtica Implante Transfemoral.

O implante de valva aórtica por cateter pode ser feito por duas vias: transfemoral ou transapical.

Na via transfemoral todo o procedimento é feito através da virilha, com a valva sendo implantada por cateteres, que navegam por dentro do sistema arterial, desde a artéria femoral até a o coração. A valva doente é dilatada por um balão e a prótese é implantada. O procedimento é menos invasivo que a cirurgia convencional.

Na via transapical, quando o acesso femoral não é adequado, uma pequena incisão é feita no lado esquerdo do tórax, abaixo do mamilo. O sistema da valva com cateter é introduzido diretamente no coração pela ponta do ventrículo esquerdo, dilatando a valva e liberando a prótese em cima da valva doente, aliviando a obstrução.

Para assistir a animação 3D de implante transapical de valva aortica clique aqui.

Para assistir a animação 3D de implante transfemoral de valva aortica clique aqui.